INÍCIO BÍBLIA ONLINE SNT SEPTUAGINTA NOVO TESTAMENTO
AUXÍLIOS BÍBLICOS DICIONÁRIO BÍBLICO TERMOS DE USO
Gênesis Êxodo Levítico Números Deuteronômio Josué Juízes Rute
1 Samuel 2 Samuel 1 Reis 2 Reis 1 Crônicas 2 Crônicas Esdras Neemias
Ester Salmos Provérbios Eclesiastes Cântico dos Cânticos Isaías
Jeremias Lamentações de Jeremias Ezequiel Daniel Oséias Joel Amós Obadias
Jonas Miquéias Naum Habacuque Sofonias Ageu Zacarias Malaquias
1 Macabeus
Mateus Marcos Lucas

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Êxodo

Capítulo 1
Capítulo 2
Capítulo 3
Capítulo 4
Capítulo 5
Capítulo 6
Capítulo 7
Capítulo 8
Capítulo 9
Capítulo 10
Capítulo 11
Capítulo 12
Capítulo 13
Capítulo 14
Capítulo 15
Capítulo 16
Capítulo 17
Capítulo 18
Capítulo 19
Capítulo 20
Capítulo 21
Capítulo 22
Capítulo 23
Capítulo 24
Capítulo 25
Capítulo 26
Capítulo 27
Capítulo 28
Capítulo 29
Capítulo 30
Capítulo 31
Capítulo 32
Capítulo 33
Capítulo 34
Capítulo 35
Capítulo 36
Capítulo 37
Capítulo 38
Capítulo 39
Capítulo 40

3 comentários:

Mauro Machado disse...

Olá Querido Irmão José Cassais:
Deus abençoe na sua caminhada de tradução da septuaginta.
Irmão , continuando meus estudos sobre as variantes entre textos do novo testamento que fazem referencia ao antigo testamento algumas variantes que são respondidas na septuaginta. No Discurso de Estevão em atos dos apóstolos algumas informações dadas por ele,se fazendo as comparações com suas traduções estão na septuaginta e diferem dos textos massoréticos.
Fico pensando, a septuaginta é mais antiga do que os massoréticos, seria ela então um texto mais aproximado dos originais perdidos?
Obtive informação que nos manuscritos do mar morto foram encontrados trechos da narrativa bíblica que combinam mais com a septuaginta .
Bom sei que o irmão também gosta de enigmas bíblicos, então estudando nossos textos hebraicos descobri um erro na contagem dos setenta em gênesis 46 .
Se observarmos atentamente e contarmos direitinho vamos ver que os primeiro trinta e três filhos de Jacó e Leia não são 33 e sim 34, pois contando com Diná filha mulher dá 34.
Agora sim fica certinho
34 - 2 onã e Er que não entraram no Egito pois haviam morrido antes
Agora veja
32 filhos de Leia+ 16 zilpa+14 Raquel +7 de Bilá= 69 entraram no Egito com Jacó 70
33-onã e er
31 + 16 +14+7=68 +Jacó 69 e não 70
A variante esta quando diz 33 era para dizer 34 contando com Diná
Confira por favor

Mauro Machado disse...

Querido irmão José Cassais você consegue me explicar por que a septuaginta diz 75
Eu contei 76 isso com a falta de Hupim filho de benjamim 76
Alguns teologos e estudiosos afirmam que tira jacó da contagem final...
Não entendi, consegue me explicar?
Se acrescentar Hupim dará 77 menos jacó 76
Se acrescentarmos jacó 78
....
Pode conferir
Benjamim nos textos massoreticos possue 11 descendentes contando com ele,todavia na septuaginta contamos 10 descendentes contando com ele o proprio Benjamim.

José Cassais disse...

A enumeração da Septuaginta, no que se refere aos da casa de Jacó que vieram com ele para o Egito, diz que "Todas as almas que vieram com Jacó para o Egito, que saíram dos seus lombos, além das esposas dos filhos de Jacó, todas estas almas foram sessenta e seis. (Gn 46.26)" Isto está de acordo com a soma de 32 para os filhos de Lia, mais os filhos que Zilpa gerou para Lia (16); mais os 18 filhos que Raquel deu para Jacó. Aqui temos de considerar que os filhos nascidos para José, através de Manassés e Efraim, seus próprios filhos, de acordo com a Septuaginta (1 Crônicas 46) são apenas 5; Porém em 1 Crônicas 7.14 vemos que Maquir, o filho de Manassés, teve mais dois filhos, irmãos de Gileade, que não aparecem na numeração "oficial": Asriel e Zelofeade.) Desta forma, os filhos de José no Egito foram, realmente, 9 (Gn 46.27); O que nos leva a concordar com a conclusão do versículo 27: "Todas as almas da casa de Jacó, que vieram com José para o Egito, foram setenta e cinco almas." Isto com a exclusão de Hupim de entre os filhos de Benjamim, o qual aparece na enumeração do texto massorético. Também em 1 Crônicas 7.12 vemos uma menção a Hupim como sendo um descendente de Benjamim, entre outros que não são citados na numeração massorética. A divergência entre os totais do texto massorético (70 almas) e o da Septuaginta (75 almas) se explica pela inclusão, nesta última, dos descendentes de Manassés e Efraim (5 almas). Resta a inclusão de Hupim como filho de Benjamim no texto massorético, sendo que ele não aparece como tal no texto da Septuaginta, mas sim como um seu descendente; o que em nada muda os fatos essenciais da narrativa.